Plano Bê: a cura

85172dbae8cae124416186efe3a7c9a8Eu sou assim: quando eu me encanto com alguém fico doente.

Aconteceu comigo quando te conheci e, mesmo que eu já tivesse visto esse filme dezenas de vezes na minha vida, eu quis me jogar. Tudo bem, o risco foi meu, o coração é meu e eu o dou pra quem eu quiser e queria dá-lo a você. Você sabia disso e se fez de bobo. Um bobo lindo por sinal. E eu adoeci de amores. Só que, de certa forma, algo esfriou entre nós. E agora não sei se eu que sou exagerada – com essa minha facilidade de gostar, me entregar e fazer planos – ou se foi você que quis pouco mesmo de nós. Você podia ter tido tanto de mim, se quisesse você poderia ter me ganhado para sempre, mas não te contei que o meu ciclo vulnerável dura apenas sete dias, depois disso os meus anticorpos reagem e a cura chega com a mesma rapidez que adoeci. As vezes tenho medo de te perder pra minha própria indiferença.

Sei que digo isso com tamanha convicção só porque você está longe, porque o incrível da paixão é que – diferente de outras doenças – ela é um vírus que a gente adora pegar, né?  E se eu soubesse onde você está, te buscaria e me exporia de novo, quantas vezes fossem necessárias, aos altos riscos contaminatórios desse teu sorriso. Eu não tenho medo de gostar, pelo contrário, parece confuso, mas eu tenho medo mesmo é de ficar curada; medo dessas minhas fases imunes, que sempre trazem junto ceticismo e frieza. Gosto muito mais de mim quando eu gosto de você e o teu amor ainda é o meu melhor remédio.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: toda sã

9933d0b8bea1c21ed315b1932a862a6c

Saúde é ter amigos, sorrir leve, ter alguém a quem amar. Ser saudável é ser livre! Livre de padrões e critérios tolos, hipocrisias medíocres. Bronzeado correto é aquele de quando ficamos vermelhos, mas de tanto rir. Cérebro perfeito é aquele que não tem qualquer preconceito e está sempre disposto a aceitar coisas novas, ver o mundo e aprender. Coração forte é aquele que bate com paixão; estresse e rotina não existem no dicionário de quem ama o que faz.  Fígado ‘zero bala’ é aquele de quem se reúne com os amigos numa sexta pra tomar uma e rir das coisas da vida. Sorriso saudável é aquele que escapa fácil, salta de felicidade. Pés saudáveis são aqueles que caminham descalços na grama frequentemente e voltam a ser criança pra chutar as poças d’água.  Garganta saudável é aquela pela qual sempre escapa o som de uma música – desafinada mesmo – ou uma gargalhada gostosa sem pedir licença. Joelhos saudáveis são os que se dobram numa oração sincera. Corpo em perfeita forma é aquele que não desiste da vida, é aquele cujo espírito é livre e não admite envelhecer porque continua a acreditar nos sonhos e na força que vem de dentro. Vida saudável é aquela de quem só deseja o bem ao seu semelhante, desejar o mal é pensar no mal, é deixar que ele se instale. Quem deseja o bem mostra que é só de bem que se vive.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: desencontros

plano be

Quanto mais ele a ouvia falar, mais percebia que ela era realmente a mulher certa. Cheia de luz, alegria, engraçada, decidida e corajosa. E quanto mais ela o ouvia, mais percebia o quanto ele era o cara errado. Ele se apaixonou por essa personalidade inquietante, mas ela sabia que o depois reservava conflitos amargos, ele pediria para que ela mudasse e ninguém até hoje tinha conseguido isso: mudá-la, apagá-la, sufocá-la. E só ela sabia por quantos finais já havia passado por causa disso, mas sobreviveu, porque foi feita pra se levantar. No entanto tinha ficado especialista em identificar homens do tipo dele. Ela os reconhecia com apenas 15 minutos de conversa, e depois que aprendeu a dizer não, nunca mais perdeu tempo tentando unir água e óleo. E nossa, quanto tempo ela já tinha perdido! Mas ela sabia que a vida tem dessas coisas mesmo. Quem quer cumprir seu caminho precisa renunciar algumas coisas, desenvolver capacidade de discernimento e ser bem resolvido, ela tinha um destino a cumprir, que não era o que ele estava propondo. Ela também sabia que o mundo costuma ser bem duro com quem renuncia um sonho e, viver, ao invés de ser uma festa como aquelas que ela fazia todos os dias, se tornaria uma tarefa árdua caso desistisse.

– Porque não? Acho que daríamos um casal perfeito! Combinamos em várias coisas – disse.

Ela só riu e olhou para algum lugar no horizonte pensando em nada mais além do caminho que tinha que completar. No destino que se propôs a cumprir e no quanto as pessoas fingem não ver detalhes tão óbvios. Eles não tinham nada que pudesse ser um vínculo. Mas naquele verão ele tinha resolvido arrumar uma namorada e, naquele momento, não via mais nada ao redor. Ele sequer a ouviu dizer que não tinha vontade de se casar, nem talento pra ser mãe. Que ela gostava do mundo, que queria ser livre.  Ele ignorou histórias, conceitos, sonhos, caminhos. Tudo em nome de ter alguém do lado por medo da solidão. Vale a pena? Ela se perguntou. A resposta veio como um raio: não, não vale! Ela não tinha nascido pra responder sim e não, pra obedecer a regras, pra ser igual a todo mundo.

– Combinar em “várias coisas” não é meu critério de escolha, nem uma desculpa que me fará parar. Você vai encontrar alguém – respondeu.

E saiu sorrindo, não dele, nem por ele, aquela não tinha sido uma conversa sobre ele e as vontades dele. Ela sorria por si mesma sentindo um peso sendo retirado das suas costas e tendo certeza de que o mundo, em forma de agradecimento, costuma ser generoso e benevolente com todos aqueles que não desistem e ainda lutam todos os dias debaixo do mesmo sol.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: desistências

Captura de tela inteira 22052014 124126

Estive pensando: eu poderia desistir de você! Sim! A hora que eu quisesse. Poderia desistir ontem quando vi você passar na rua tão lindo. Poderia desistir segunda-feira quando vi você sorrindo tão dela. Poderia desistir quando não tive coragem de te procurar semana passada. Eu posso desistir a hora que eu quiser, mas acontece que eu não quero. Desistir de você seria desistir de mim, seria desistir de tudo, seria desistir dos meus textos sobre amor que são todos pra você, seria desistir do que mais quero. Acontece também, que eu não sei desistir. Não de alguém como você. Não de você, que me arranca sorrisos tão sinceros e suspiros tão felizes. Você também não colabora! Poxa vida né?! Precisava ser tão “a pessoa perfeita para minha vida” desse jeito? Eu não desisto. Às vezes, ver teus olhos olhando outros horizontes me dá um frio na barriga, e nessas vezes eu desisto, por uma hora, por um dia, mas a noite quando a ordem cronológica do universo recomenda que é hora de dormir, eu tenho um travesseiro confidente que me ouve chamando teu nome. Afinal, minhas desistências de você são sempre fracassadas pelo milésimo de segundo em que te vejo sorrir. Não que eu seja fraca, eu posso desistir de você agora se eu quiser, mas eu não quero. Não vou desistir.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: Pra dar certo

Fullscreen capture 27032014 150649

Dois dias, um bom livro e um café; e eu estarei inteira. Dois dias, meu bem, é o tempo que dura minha loucura. Sou instantânea em me apaixonar, é verdade, eu gosto fácil, fácil. Fico ansiosa, olho pro celular, fico mais ansiosa, volto a olhar pro celular, me chamo de burra, continuo olhando pro celular como se ele fosse tocar a qualquer momento, volto a afirmar o quanto sou uma molenga por estar me sentindo assim. E essa sequência de sentimentos inúteis se segue ao longo do meu dia. Mas daqui a dois dias eu estarei de volta ao meu estado normal.
É eu tô meio afim de você mesmo, de bandeja, mas, não te falo. Por que eu sempre falo tudo mesmo, não sei esconder a verdade, todo mundo já sabe que quando eu gosto eu falo, mas pra você não, dessa vez não, porque todas as vezes que falei eu estraguei tudo. Incrível como os homens têm medo de mulher sincera. E com você eu quero que seja diferente, não quero assustar mais um, não você. Não quero esse sorriso lindo andando numa direção oposta a mim. Por isso vou deixar você fazer seu papel e tudo acontecerá do jeito que tem que acontecer. Já falei pra mim: “segura… segura, não fala, não convida pra sair, não assusta o moço” deixa ele ser o homem… Hahaha engraçado isso. Tá bom! Em nome do “felizes para sempre” que um eventual futuro nos reserva, vou esperar você dar o primeiro passo. Só dessa vez, sabe por quê? Você vale a pena!

Bethania Davies

Foto: reprodução.