Plano Bê: não desista de mim

1 (2)Eu acho que você não quer desistir, mas por via das dúvidas, resolvi te dar mais alguns motivos para ficar. Olha eu sou meio exagerada e como qualquer ser humano, imperfeita. Vou errar com você e vou sentir um profundo pesar quando isso acontecer, mas não desiste. Prometo que, por você, vou acordar todos os dias e tentar ser uma pessoa melhor. Só não desista de mim.

Eu sou tão transparente que você já percebeu, logo de cara, que eu gosto de você. Mas também consigo ser difícil de ler em algumas questões. Você vai ter que ser meio vidente em alguns momentos, mas não desistia de mim por isso, eu vou dar o meu melhor.

Não desiste. Tem muitas coisas que a gente ainda precisa fazer, eu ainda nem te contei que sou apaixonada por noites de lua cheia e que, quando estou sozinha, brinco que sou uma bailarina clássica.

Fica aqui comigo hoje, amanhã, volte para me ver na semana que vem, permaneça. Ainda não deu tempo de eu descobrir porque os meus dedos se encaixam tanto nos seus, mas tenho certeza que não é em vão, tem que ter um motivo para tanto gosto, e para esse meu sorriso brilhar tanto quando você está perto.

É tanta coisa, né? Tanto desencontro, tanto desencaixe, tanta falta de tempo, tanta distância, mas não desiste! Porque o encanto ainda é maior e mais bonito. Sei lá! É uma saudade de abraçar, um olhar que fala, uma alegria incontida, um sentir sem querer, e um querer sem tamanho. Acho que você não vai desistir, mas você é livre. Te deixo livre para escolher o melhor caminho, mas não desiste de mim, não. Não desiste da gente. Porque eu também não vou desistir.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: caí direitinho

2 (1)Escuta aqui! Você não pode chegar assim na vida de uma pessoa e ir fazendo o que está fazendo, não! Você me deixou pensar que eu tinha o controle. E fui te dando espaço até não ter mais o controle de nada.

Você me enganou e eu caí direitinho! Chegou com cara de quem nada queria, sorriso de criança quando abre caixa de presente e me tocou de mansinho como o vento perfumado que balança as árvores no mês de setembro. Baixei a guarda achando que você era inofensivo e agora olha eu aqui, escrevendo para você feito uma adolescente bem boba. Eu sempre pareço uma adolescente boba quando me apaixono. E, para não restar nenhuma dúvida, sim, eu estou apaixonada.

Foi diferente dessa vez. Não foi urgente como sempre são as coisas do amor na minha vida, foi tranquilo, foi terno e leve. O que há com você, hein? Tempestade e calmaria ao mesmo tempo, você tem o dom de fazer grandes coisas acontecerem sem que eu mesmo perceba. Foi entrando sem fazer muito alarde e pressentindo que vou querer te convidar para ficar para sempre, pois você jogou por terra todas as minhas teorias de que amor é algo complicado. Tudo é tão fácil com você, tão leve e tão natural que, ontem, quando percebi, estava tendo que me controlar para não te chamar de “amor”. Ainda estou.

Ah, meu Deus! Você faz ideia de quanto tempo faz que não tenho vontade de chamar alguém de “amor”?

Caí direitinho no labirinto de emoções que você trouxe. Eu não sei o que você está fazendo comigo, eu não sei nem o que eu estou fazendo comigo em relação a você. Só sei dizer que te conhecer foi como encontrar um lar. Eu disse “muito prazer”, mas minha alma sussurrava “quanta saudades eu senti”. Foi lindo!  Teu abraço é como voltar para casa, agora entendo por que sinto tanta paz dentro dele. Me sinto em casa ouvindo teu coração pulsar no mesmo ritmo do meu.

Você me enganou e eu caí direitinho. Caí em todas as armadilhas de amor possíveis. Logo eu, que sempre fui tão astuta. Caí de amores desde a primeira vez e todos os dias escolho cair de novo, levando isso adiante. Estou caindo de amores agora mesmo, te escrevendo e imaginando você lendo e sorrindo de canto de boca.

Caí na armadilha quando mandei a primeira mensagem “só para ver qual é a dele” e depois a segunda e depois a terceira e, quando percebi, já estava sorrindo feito boba olhando para a tela do celular falando com você quinze horas por dia. Caí na armadilha quando firmei meus olhos nos teus e vi o tempo parar ali, e eu, que sempre ganhei nos jogos de amor, naquele segundo, perdi.

Perdi quando desejei provar o beijo e depois descobri que nunca antes, um beijo foi tão verdadeiro. Nunca antes, um beijo conversou com minha alma como o teu beijo faz. Foi como se toda a minha vida eu tivesse vivido para aquele momento e só. Todo o passado e todo o futuro se encontraram quando olhei para você e você sorriu.

Quando encontrei você, eu encontrei o que eu estava procurando. A espera acabou, a busca acabou, a tempestade acabou, e o melhor de tudo é que a nossa vida está só começando!

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: um dia

Long Road Desktop Background

Mais um fim de semana se passou e você continua curtindo sua vida. Vai lá, deita a cabeça no travesseiro confiante de que tem um coração que está sempre te esperando e que você sempre tem a escolha de voltar correndo para aquele abraço caso tudo der errado. Confiante de que têm beijos doces, chocolate quente e amor desmedido que estão a qualquer hora do dia ou da noite à sua disposição quando você se cansar desse mundo vazio.

Aproveite essa sensação de navio livre em alto mar que tem um cais seguro para voltar a procura de calmaria e paz caso a tempestade se torne intransponível.

Você se esquece de que nada esta sob o controle de ninguém. Considere algumas variáveis e entenda que não vai ser sempre assim. Um dia ela vai seguir em frente e você terá que saber lidar com isso também.

Um dia vai chegar alguém disposto a sugerir que ela troque amores platônicos por amores reais. Ela vai refletir sobre tudo que fez por você sem nenhum resultado e vai topar.

Um dia alguém vai fazê-la rir de um jeito que ela nunca sorriu para você. Você vai assistir ela se apaixonar, vai ver o coração dela descobrindo, aos poucos, que pode se livrar de você até que ela finalmente te deixe para trás sem nenhum pingo de remorso. Ela vai seguir em frente.

Os olhos dela estiveram sempre no horizonte e se encheram de fins de tarde sem te ver voltar. Mas algum dia a fechadura da porta da frente (da casa e do coração) será trocada e a nova chave estará em posse de outra pessoa. Talvez alguém que se interesse pela coleção de livros dela e tenha prazer em passar o tempo em sua companhia. Você não vai poder fazer nada quando ela decidir seguir em frente.

Ela é sempre sua última opção para ocasionais domingos à tarde. Mas um dia vai chegar alguém que se importa. Alguém que fará questão de reservar, já na segunda-feira de manhã, a companhia dela para o sábado seguinte. Ela vai se sentir valorizada. Neste dia, ela vai seguir em frente.

Um dia seu porto seguro será praia de outro amor. Ela vai mudar o tesouro de lugar e o mapa, que hoje você tem, já não levará a lugar nenhum. Alguém vai chegar com o mapa certo, encontrar e usufruir de toda a riqueza do amor que sempre esteve guardado à sua espera. Neste dia ela vai entregar tudo e se livrar da sua lembrança como a gente se livra de um peso. Como a gente se livra dos sapatos no fim de um dia cansativo. Esse dia vai chegar e, neste dia, ela vai seguir em frente.

Bethania Davies

Plano Bê: não quero mais escrever sobre você

lapis-quebradoEu sempre adociquei as palavras para lançá-las em sua direção, você, por algum motivo que eu desconheço, me inspirava as melhores coisas.

Fiz por você o que eu não fazia nem por mim. Pintei um céu de cada cor, para cada dia da semana, só para enfeitar suas manhãs.

Você sabe que sou exagerada, ou ao menos concluiu isso sozinho depois pensando na gente, se é que você pensou, mas você nem me deixou explicar.  Você quis estar comigo, mas nunca perdeu o seu tempo para me conhecer e foi embora com medo do meu jeito de amar exagerado.

Mas agora já não quero mais escrever para você, nem sobre você, nem nada que remetaa você. Apesar de as palavras não me deixarem, eu não quero mais colocar nada no papel que tenha a ver com a sua passagem pela minha vida.

E se eu fosse descrever, de um jeito prático, como me sinto agora para você eu escolheria a figura de um cachorro correndo atrás do rabo. Em uma busca infinita por algo que nunca vai chegar. Esse cachorro sou eu tentando me livrar de todas palavras que você me faz ter vontade de escrever.

Ontem decidi: não quero mais escrever sobre você. E como se fosse para testar minha sanidade o destino me fez passar naquela rua. Eu ia à outro lugar dessa vez, mas era a rua onde eu tantas vezes acelerei o carro e o coração correndo para te ver, a rua por onde eu passava sorrindo. Olha, a vida não está me dando colher de chá pra te esquecer.

Já vi que essa parada vai ser dura. Mas tudo bem, decidi e tá decidido! Não quero mais escrever sobre você. Fazia tempo que não pensava a respeito disso tudo, achei que tinha passado, mas ainda dói.

Ainda dói. Assumir isso depois de tanto tempo dói mais ainda, mas estou consciente que este é o primeiro passo para passar ao próximo nível. Não quero mais escrever sobre você. Estou começando a te deixar para trás.

Bethania Davies

Plano Bê: não vou te desejar boa sorte

8148447264_966bb63453_bEu queria dizer que não vejo a hora de você me ligar só pra eu poder te ignorar. Pensando bem antes de ignorar, eu queria dizer que você não merece o mínimo da minha atenção. Que eu nunca entendi esse medo que você tem de me dizer o que sente e que todo o tempo que eu perdi com você eu já me arrependi.

Tempo perdido, coração perdido, vida perdida, porque você é só um menino que nunca vai entender de mulheres como eu. E não vem com essa porque eu não tenho paciência para terminar bem, pra desejar boa sorte, tudo de bom é o caramba. Eu te desejo muito azar!

Que você ache alguém que faz exatamente o que você fez comigo, que ela parta teu coração assim como você partiu o meu. Que ela não seja nem metade do que eu fui. Só aí você vai entender quem eu fui pra você e quem você deveria ter sido para mim, mas não foi.

Eu não vou te querer de volta, mas rezo para você se arrepender. Para voltar a bisbilhotar minha rede social, para olhar aquela conversa antiga e lembrar-se de tudo. Que as lembranças do nosso tempo voltem como fantasmas toda noite para você.

Eu queria não querer mais me importar. E gostaria de entender por que tudo sobre você ainda me incomoda tanto, por que eu me importo tanto. Por que não consigo deixar o tempo passar. Não da pra entender.

Queria beber uma poção e esquecer,  mas não entender talvez seja o melhor dos meus remédios.

Bethania Davies

Plano Bê: você não vai saber

Processed with VSCOcam with p5 preset

Posso te falar qualquer coisa já que quer saber de mim. Quer saber se eu tô bem? Eu sim.

Por aqui tudo continua do mesmo jeito, apesar de tão diferente. É difícil de entender mesmo. É que eu ainda sou a mesma que você deixou, tudo está no mesmo lugar, mas tem umas coisas que não vem ao caso.

Eu vou sobreviver e isso é tudo e não precisa vir aqui dizer que se preocupa comigo porque eu não quero nem te ver. Por que esta curiosidade sobre minha vida agora?

Tem coisas que você não precisa saber.

Tem coisas que você nunca vai saber. Por exemplo, que toda essa minha ira é medo de te ver. Você não precisa saber.

Eu tenho medo de não me segurar e dos meus olhos me denunciarem.

Nada disso você precisa saber. Que eu ainda me importo o suficiente, que eu guardei nossas fotos só para olhar teu sorriso escondida toda noite depois que a cidade vai dormir.

Eu ainda espero que as circunstâncias nos reaproximem e rezo todo dia pra isso acontecer, mas isso você nunca vai saber.

A minha vida meio do avesso, mas já fiz demais por nós dois, já não há muita coisa para dizer. Talvez eu te ame por mais dez anos, ou dez dias.

Mas isso você nunca vai saber.

Bethania Davies

Plano Bê: sozinha em casa

4782743725_28c2527d2f_b-1Quando chegou eu senti o maior medo. Um medo que nunca senti antes na vida. É que faz tanto tempo que um sorriso e uns olhos brilhantes, me remetendo a cilada que a gente torce pra cair, não faziam esse coração saltar no peito. Tinha esquecido como era.

Torci para ser um ataque cardíaco.

Era amor.

Eu entrei em pânico.

O pânico é o sentimento de quando você está perdendo o controle. Apaixonar-se é perder o controle. É como planejar a viagem de férias para praia e ir para a montanha, você nunca sabe o que vai acontecer. E eu, que sou tão calculista, odeio perder o controle.

O medo de perder o controle faz você se afastar de tudo, guardar seu coração em um baú com cadeado de aço e esconder o baú no sótão. É como se recolher em um mundo de incerteza. Achar que não merece amor.

O medo é ficar sozinho no seu próprio silêncio. Lá tem uma criança te olhando com os olhinhos arregalados. Esta criança é você. Você olha para ela e garante que sabe o que está fazendo, que vai dar tudo certo, quando na verdade não sabe nada e é provável que tudo dê errado.

É como ficar sozinho em casa, todo mundo sai e você se tranca bem para se proteger de qualquer interferência externa que possa perturbar seu ciclo vicioso de solidão. Mas pelo menos ali você tem tudo sob controle. Ali é tudo previsível, tudo seguro, tudo está sob seu domínio. O mundo, as pessoas e o amor são imprevisíveis. Lidar com imprevistos é coisa para os heróis das historinhas, coisa para corajosos.

Fui covarde, me escondi até do meu amor próprio. Eu estava sozinha em casa, bem salva e segura quando você chegou querendo me amar. Pensei: “mas quem ele acha que é para me amar desse jeito? Quanta petulância!”. Mesmo assim quis arriscar. Reuni um último raio de coragem e te convidei para entrar só pra ver até onde ia sua ousadia. Abri as portas.  Da casa, depois do baú de cadeado de aço, depois do coração dentro do baú de cadeado de aço.

Agora você também mora aqui. Somos nós dois em casa. Você chegou e me amou de um jeito que nem eu me amava. Você impregnou minha vida de amor.

Bethania Davies

Plano Bê: eu não quero um amor qualquer

sorriso-de-mulher“E aí, já casou?”

Certamente você já foi alvo de tal pergunta.  Você passa um ano sem ver e nem falar com a pessoa, ela te encontra e pergunta se você já se casou. É o momento em que você desiste de achar que as coisas evoluem. Algumas pessoas nunca evoluirão e podem te encontrar ano após ano, você se forma na faculdade, você sai da casa dos seus pais, entra no mestrado, abre sua própria empresa, faz coisas grandiosas e a pessoa continua na mesma pergunta. É como se ela achasse que você precisa se casar para que seja uma pessoa completa.

Amigo, amiga, completa eu já sou! Quando se precisa de alguém para se sentir inteiro é porque nem metade você é. É porque te falta muito. Te falta tudo. Não é como se eu tivesse perdido um pedaço de mim e precisasse encontrar para ser inteira outra vez, eu sou inteira, só quero alguém para me transbordar. Quando amor é uma urgência, você aceita qualquer migalha e é por isso que não quero um amor qualquer.

Tem que acrescentar. Somar coisas boas à minha vida. Não quero só um pé para esquentar o meu no inverno. Tem que ter coerência, tem que me fazer bem, tem que ser parceiro para os embalos de um sábado à noite e para programa de índio de domingo à tarde. Sem cobrança, sem stress. É como dizem por aí, se for para brigar eu brigo com a minha mãe. Amor é para fazer sorrir e é por isso que eu não quero um amor qualquer.

E tem aquelas amigas que sempre te olham com cara de pena quando você vai a um jantar, onde a maioria são casais, sozinha. Amigos entendam: eu não tenho medo de chegar sozinha. Prefiro muito mais chegar sozinha carregando meu bom humor, do que como muita gente que chega acompanhado e passa a noite de cara amarrada. Já fiz o mesmo, já sustentei relacionamento por aparência, já aceitei mesquinhez. Hoje sei o que quero e não aceito, de forma alguma, menos do que eu mereço receber. É por isso que eu não me contento com um amor qualquer.

É claro que quero ter alguém, mas não é assim. Não tenho pressa. Vai chegar. Quero paz, quero risos, quero sincronia de almas, quero tudo que li nos livros sobre amor. Porque o mundo anda muito padronizado, muito cheio de céticos de mesa de bar que esqueceram que a maior força à disposição do ser humano nesta terra é o amor e eu acredito nele. Pode me chamar de louca por isso, mas eu não sou mesmo uma mulher comum. Não sou uma mulher qualquer. É por isso que eu não quero, não aceito, não admito um amor qualquer.

Bethania Davies

Plano Bê: sou mulher demais para você

aaa

Se tem a intenção de me prender, desista. Se quer mudar algo em mim, nem venha. Você não entende quem sou nem sabe jogar meu jogo. Você não vai conseguir acompanhar minha vida intensa e meu raciocínio meio louco.

Só saiba que, de mim, você nunca vai ter uma resposta branda, não sei ser mais ou menos. Meu jeito confunde gente que vive em cima do muro. Comigo é oito ou oitenta. Meu gênio é forte demais para sua simpatia por gente de opiniões suscetíveis. Sou informação demais para seu entendimento tão conservador.

Eu não vou te dizer o que eu quero.  Se você não for bom o suficiente para saber como funciona um relacionamento maduro então eu sou mulher demais para você. Eu sou mulher demais para criança mimada que precisa de alguém o tempo todo dizendo o que se deve fazer. Não sou sua mãe.

Eu achei que precisava me esforçar para te merecer, eu quis ser alguém que você precisasse por perto, que você quisesse por perto. O frio na barriga e as mãos geladas eram impossíveis de controlar quando você chegava, mas com o tempo eu percebi que eu era muito, que quem devia se esforçar era você. Sou mulher demais para viver de migalhas.

Minha mãe não me educou para ser sujeita às variações de humor e as vontades de homem nenhum. Sou mulher demais para criança que tem medo de me assumir porque não quer perder as mulheres de menos que está acostumado a encontrar por aí. Sou mulher demais para aceitar uma desculpa lavada sobre a bateria do celular ou a falta de tempo.

Sou mulher demais para ficar e insistir em uma pessoa que não vale nem o livro que eu li no verão passado e embora eu tenha que admitir que ainda penso em você, você nunca vai saber, porque eu sou mulher demais para aceitar ser tratada e comparada com uma mulher de menos.

Bethania Davies