Plano Bê: silêncio, por favor!

aAs pessoas querem te dizer como você deve viver sua vida. As pessoas querem te dizer o que você precisa ler, o que você precisa fazer e qual causa deve apoiar. As pessoas querem te dizer onde você deve ir e com quem deve conversar. Querem te dizer que música você tem que ouvir, o que você deve comer, do que você deve gostar e quais lugares deve frequentar.

As pessoas te dizem como você deve se comportar, o que deve e o que não deve dizer e o que não deve vestir. As pessoas mentem para o mundo e para si próprias e querem que você seja igual  a elas. Elas querem te encaixar em um padrão, te condicionar a um quadradinho sem te perguntar se você quer fazer parte dessa loucura. Sim! Porque talvez você prefira (e eu torço para que você seja daqueles que preferem), só ficar de fora olhando e torcendo para que um dia as pessoas acordem.

As pessoas sabem como você deve viver sua vida, mas não sabem como viver a delas. As pessoas apontam seus defeitos e derrotas e não olham para dentro de si. O problema é enxergar só os defeitos dos outros e não ver os nossos. Mas é mais fácil tentar mudar os outros do que a si próprio.

As pessoas querem corrigir em você erros que não existem, ou até existem, mas errar é uma benção, é a mais pura forma viver sua humanidade. Errar é evoluir. Pedra que não tem medo de se jogar na corrente do rio, chega lá em baixo lapidada.

As pessoas fazem barulho e pedem silêncio. Culpar os outros é muito mais fácil do que olhar para dentro, buscar sua própria paz. As pessoas esqueceram que fomos feitos à imagem de Deus, e sendo assim, temos o universo em nós. A paz está aqui dentro é só procurar, silenciar o corpo para ouvir a alma.

As pessoas passam tanto tempo vivendo a vida dos outros, tanto tempo preocupada com os outros, tanto tempo… A vida é tão rápida e eu não sei como elas conseguem desperdiçar tão bem.

As pessoas não fazem nada para melhorar nem a sua própria casa e cobram de você uma atitude para mudar o mundo. As pessoas  tem opinião sobre praticamente tudo e querem despejá-la em todo lugar. Não percebem que enquanto falam, falam, falam, podiam estar agindo. Se quer, vá e faça. Não cobre dos outros aquilo que nem você faz.  A velha máxima “quem muito fala, pouco faz” ainda é valida.

Eu só queria que por um dia cada um conhecesse a paz que é contemplar o mundo em silêncio, só agradecer e cuidar de si próprio em vez de cuidar do outro. O outro se encarregará de si.

Não é a igualdade que eu queria, pois precisamos das diferenças. Não para fazer guerra, mas sim para aprender com o outro e levar só o que for bom para nossa existência, crescendo a cada dia. O mundo está saturado de gente falando demais e fazendo de menos, revolucionando demais e pacificando de menos.

Ok, ja chega! Eu tenho meu cantinho de paz dentro de mim e já está na hora de voltar para ele. É que neste exato momento em que termino este texto percebo que estou igual a eles, falando demais. Mas é por uma boa causa, só para fazer um pedido especial: silencio, por favor!

Bethania Davies

Plano Bê: rótulos

rotulosEu não sou tão linda e perfeita como a foto de perfil na rede social mostra, nem tão feia e má como a do RG. Não sou tão doce quanto meu sorriso, quando feliz, aparenta, nem tão amarga quanto meu alô num dia de mau humor. Vivo de concordâncias, tudo foi milimetricamente equilibrado para que o resultado fosse eu, exatamente desse jeito. Cometo erros, muitos erros, todos os dias, mas, me reinvento toda noite tentando ser melhor. Eu sou a confusão entre o bom e o mau, entre o feio e o belo, o louco e o lógico e, que eu me lembre, nunca foi tão feio ser assim. O problema é que agora, algumas pessoas no mundo são tão lindas, perfeitas e educadas por traz de uma tela de computador. Elas nunca erram, não têm mau humor, não se irritam, não acordam com mau hálito e fazem um bem danado ao mundo ajudando milhares de criancinhas que passam fome na África ao compartilhar uma foto… (Silêncio). Pois é, esse mundo viu! Tá cheio de gente sã demais, coerente demais. Afinal o que é a loucura, se não uma desculpa que inventaram para rotular quem pensa diferente, enquanto os que se dizem sãos fazem guerras e matam pessoas?  Daí, eu que sou normal, pareço tão imperfeita que dá dó. Dó deles por não se permitirem habitar a casa da loucura um só dia. Poucos me fazem companhia aqui, mas somos felizes além da medida e é só isso o que importa!

Bethania Davies

Foto: reprodução.