Plano Bê: enquanto o sol não vem

f55d3111115b6a3032c30ea90cddaab0Não é fácil ser perseverante, mas é como diz um velho ditado: se você está cansado de recomeçar, pare de desistir. Persisita. Eu também não sou uma pessoa perseverante e desisto mais do que eu gostaria.

Para falar a verdade eu desisto todas as noites e todas as noites eu reafirmo o quanto o caminho é difícil, aumentando a lista de desculpas esfarrapadas para justificar meus fracassos diários. Esqueço-me que todo mundo fracassa e que não tenho o direito de achar que a vida é mais difícil para mim do que é para o meu irmão, porque todos têm as mesmas oportunidades. Mesmo assim, todo fim de dia eu desisto cansada, esgotada pela ignorância de algumas pessoas que me rodeiam.

Ainda bem que o brilho que trago dentro é bem maior do que qualquer dia nublado aqui fora e, assim, o meu desistir é sempre passageiro. Sei que o preço para desistir é mais alto do que qualquer coisa que eu possa vir a enfrentar para conseguir. Então, toda noite eu recomeço, mas eu não tenho preguiça de recomeçar porque, cada vez que eu desisto, eu recomeço melhor.

À noite quando a maioria deita para dormir eu recomeço porque eu deito para sonhar. E contra um coração que sonha grandes sonhos, não há argumentos possíveis, não há barreira que seja forte o bastante.

Eu recomeço antes mesmo do sol chegar, porque enquanto ele não vem estou planejando tudo de novo e imaginando a melhor maneira de aproveitar cada segundo do meu dia e cada impulso do meu corpo na direção do meu sonho, mesmo que ao fim do dia eu chegue cansada, desistindo. É que sou intensa demais em tudo, dou o melhor de mim em tudo que faço e quando eu resolvo fazer, ninguém me segura.

Enquanto o sol não vem, eu me preparo, porque sucesso é a junção de preparação com oportunidade. Enquanto o sol não vem eu gasto os meus dias desistido e recomeçando cada vez melhor e aprendendo cada vez mais. Porque eu sei, ele pode demorar, mas ele vem.

E quando o sol começa a nascer, todos os sonhos são possíveis.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Plano Bê: desistências

Captura de tela inteira 22052014 124126

Estive pensando: eu poderia desistir de você! Sim! A hora que eu quisesse. Poderia desistir ontem quando vi você passar na rua tão lindo. Poderia desistir segunda-feira quando vi você sorrindo tão dela. Poderia desistir quando não tive coragem de te procurar semana passada. Eu posso desistir a hora que eu quiser, mas acontece que eu não quero. Desistir de você seria desistir de mim, seria desistir de tudo, seria desistir dos meus textos sobre amor que são todos pra você, seria desistir do que mais quero. Acontece também, que eu não sei desistir. Não de alguém como você. Não de você, que me arranca sorrisos tão sinceros e suspiros tão felizes. Você também não colabora! Poxa vida né?! Precisava ser tão “a pessoa perfeita para minha vida” desse jeito? Eu não desisto. Às vezes, ver teus olhos olhando outros horizontes me dá um frio na barriga, e nessas vezes eu desisto, por uma hora, por um dia, mas a noite quando a ordem cronológica do universo recomenda que é hora de dormir, eu tenho um travesseiro confidente que me ouve chamando teu nome. Afinal, minhas desistências de você são sempre fracassadas pelo milésimo de segundo em que te vejo sorrir. Não que eu seja fraca, eu posso desistir de você agora se eu quiser, mas eu não quero. Não vou desistir.

Bethania Davies

Foto: reprodução.