Amigo secreto criativo!

Brincar de amigo secreto/oculto é tradição no final do ano, né? Nos reunimos com amigos, familiares e colegas de trabalho para trocar presentes de uma forma divertida! Eu adoro!!! ❤

A maneira mais comum de brincar é fazer o sorteio, cada um tira um nome e na hora da revelação dá dicas para que o restante da galera descubra quem é o amigo secreto. Mas também existem outras formas criativas que você pode brincar para sair da rotina e dar boas risadas. Separei algumas sugestões:

Amigo Imagem e Ação: cada pessoa faz um desenho ou uma mímica que represente o seu amigo secreto.

Amigo de infância: essa é uma forma de brincar de amigo-secreto ao contrário! Em vez de descobrir quem você tirou, a ideia é descobrir quem tirou você. Cada participante traz uma foto de quando era bebê e coloca em um envelope com o nome de quem tirou do lado de fora. A pessoa vai pegar o envelope com o seu nome, olhar a foto e tentar adivinhar quem a tirou!

Amigo pessoal: da mesma maneira que a brincadeira com as fotos, em vez de colocar uma foto em um envelope, a pessoa pode colocar um objeto que tenha a ver com ela em uma caixa.

Amigo DIY (do it yourself): nesta brincadeira você terá que exercitar a sua criatividade e o seu lado artesão para criar o presente do seu amigo secreto. Não vale comprar algo pronto, você tem que fazer o presente.

Inimigo oculto/amigo da onça: diferente de todas as demais opções, esta é para entrar no clima de zuação mesmo! Em vez de comprar algo que o seu amigo secreto goste, você tem que comprar algo que seja estilo “presente de grego”. Algo que não tenha utilidade para a pessoa, uma coisa que lembre uma piada interna ou mesmo algo que você sabe que a pessoa não vai gostar. Lembrando que o espírito esportivo e o bom senso devem prevalecer para que a brincadeira não vire motivo de discórdia.

Uma dica legal é estipular um número de chances para acertar quem é o amigo secreto e quando as chances acabarem a pessoa pode pagar um mico. 😉

dicas-presente-natal

 

Plano Bê: outra história sobre fim

8536426163_761bf95a82_oEsta é uma história sobre fins. Ou serão começos? Ainda não decidi, mas o que tenho certeza é que coisas precisam acabar para outras começarem. Um fim precede um começo. A lei vale para todos os fins e este é, sim, um texto sobre mim. Afinal, o texto é meu e de que outra coisa eu poderia falar se não do que sinto?

Tão transitória e instável é a nossa vida e ainda assim vivemos. Tão rápida e ainda assim construímos, começamos coisas mesmo com a certeza de que elas terminam. E esta talvez seja aúnica certeza que temos: as coisas terminam.  O café termina, a bateria termina, o inverno termina, o ano termina, amores terminam, amizades terminam, a vida termina.

Você faz outros planos as pessoas também e a vida se encarrega de cumprir seu curso natural que é levar cada um para o seu caminho. Você sente muito, eu sei, mas acha, por alguma razão, que desta vez vai ser diferente, só que não vai. Foi assim quando deixou os amigos da sexta série. Foi assim quando deixou os amigos do terceiro ano. Será assim quando a faculdade acabar.

Prometemos não nos afastar. Prometemos ligar. Prometemos estar presente. Fazemos votos de saúde e sucesso. E as promessas falham. Combinamos de marcar encontros semanais, que depois se transformam em mensais, que se transformam em anuais e que depois deixam de existir.

Fins doem, mas a coisa mais bonita de ser humana e colecionadora de fins é a esperança. Graças a essa mania de acreditar nós provamos todos os dias que a vida vale a pena. Porque não deixamos de viver só porque a vida um dia irá terminar. Não deixamos de dormir e sonhar só porque o dia irá amanhecer. Não deixamos de amar só porque o tempo irá afastar.

Viver consiste em aproveitar ao máximo o meio entre um começo e um fim. E só.

O fim pode demorar quatro anos, mas ele chega e chegou para nós, mas só aqui. Isso foi um capítulo, um caminho compartilhado que agora se divide em outros tantos cada qual com sua missão pelo mundo. O mundo é grande e a porcentagem de chance de nos perdermos é maior ainda.

Outros caminhos surgirão. Lutaremos outras batalhas em outros campos ao lado de outros soldados, faremos novos amigos, amaremos outras pessoas, prometeremos tudo outra vez em outras histórias. E, o melhor de tudo, ainda nos lembraremos uns dos outros, ainda seremos os mesmos. Com o mesmo humor, com o mesmo jeito, com o mesmo brilho nos olhos, só que com novas histórias na mala porque história a gente faz para poder contar.

O fim traz o começo de alguma outra coisa que ainda vamos descobrir, mas isso não tem importância agora que eu decidi que este é um texto sobre fim. Mas não é um fim qualquer, é um fim sonhado, um fim iluminado, batalhado, conquistado e, nem de longe, triste. É um final construído sobre muito amor, um final feliz porque mesmo sabendo que ele chegaria, nós vivemos, amamos, sorrimos, construímos e sonhamos. Toda história tem começo, meio e fim. Na nossa nós, com certeza, aproveitamos o meio.

Com todo meu amor para a turma de Jornalismo, da história 2012 – 2015, da Faculdade Assis Gurgacz.

Bethania Davies

Foto: reprodução.