Plano Bê: última carta

Captura de tela inteira 06112014 143850

Eu já não sei mais o que te falar. No momento eu tenho uma lembrança linda e uma vontade de que você seja meu futuro. Esta é a minha ultima carta pra você, não queria parar de te escrever, mas escrever pra quê? Pra quem? Você realmente vai ler isso algum dia? E eu já te escrevi tantas ultimas cartas que nem me lembro mais. Acho que você também não se lembra. É que eu gosto de te escrever porque, independente do nosso fim, sei que você vai sorrir quando abrir. E mesmo que eu não te veja sorrir, vale a pena. Em fim, é uma pena.

Queria pedir desculpas por invadir sua vida, por tentar te mostrar o lado bom de viver. Só agora compreendo o quanto lhe fiz mal, pois, por não ter tido coragem de vir comigo, imagino como deve estar sendo difícil pra você continuar fingindo que é feliz nessa porcaria que você chama de vida de solteiro, sabendo o quanto seria bom ao meu lado, sabendo o quanto eu lhe daria. O medo do desconhecido às vezes impede os bobos de viver coisas lindas.

Desculpe por tudo que te escrevi, imagino que se um dia você ler tudo, tudinho mesmo, sua covardia vai doer como um tapa na cara quando, enfim, vir a saber do que eu estava falando.

Desculpe se eu insistir em vir na sua lembrança quando você escutar aquela música… Aquela que você estava escutando sozinho no seu quarto semana passada. E também quando alguma voz se parecer com a minha. Imagino como deve ser ruim pra você procurar meu timbre de voz em todas e saber que só eu tenho desse jeito, nesse tom, exato pra combinar com o seu.

Desculpe por desistir tão fácil, é que você não me dá escolha, nem caminhos pra continuar. Eu sinto que amaria você da maneira mais louca e nos divertiríamos muito lembrando esse início difícil e desencontrado que tivemos. Mas é que eu não suporto mais te ver aí sozinho, sabendo tudo que posso te dar.

Desculpas se eu expuser você quando lançar meu livro com todas estas cartas pra mostrar para o mundo inteiro que você seria minha escolha, mesmo que eu tivesse outras mil, minha escolha seria você, sempre. Desculpe por te querer a esse ponto.

Desculpe se, na noite de autógrafos desse mesmo livro, eu não te reconhecer. É que eu espero que até lá já tenha cessado essa loucura. E vai doer pra você quando eu perguntar “qual o seu nome?” pra poder autografar. E vai doer pra mim quando você responder e eu souber que é você e me lembrar de cada dia que parei no meio da aula, do trabalho, da rua, do banho pra te escrever, mas prometo não me jogar no seu abraço nem falar nada, é apenas um livro. Seu autógrafo e minha promessa de não te escrever nunca mais, estarão garantidos. Eu prometo.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s