Plano Bê: liberdade

tumblr_ld2g2sddDk1qbcfxro1_500

Sempre me vi como uma menina desastrada e de um tempo pra cá me vejo tão mulher. Não que eu tenha deixado de ser desastrada, mas não sei, é tão estranho. Não vi em que momento aconteceu essa transição, ou se ela ainda está acontecendo. Acho que meus flertes com a vida evoluíram pra um lance mais sério. O fato é que ouvi falar e estou esperando pela famosa crise dos 20 e poucos. Não sei quando ela chega ou se chega, na verdade acho que ela só perturba quem parou. Quem não está no caminho. Ela deve ter a mesma função de um infarto de miocárdio: se você nunca alimentou bem o seu sonho, pode te matar, vai ser difícil sair vivo dela – eu falo de vida de verdade – mas na maioria das vezes é um aviso de que ninguém é eterno. Pra você lembrar-se de voltar pra terminar o sonho que começou ou começar de uma vez o que está adiando há tanto tempo.

Em fim, então quer dizer que agora sou adulta é?! O ruim disso é que você pensa muito mais sobre sua vida e aonde quer chegar. E se a pessoa for tipo eu, ansiosa e sonhadora, ela tem urgência de tudo, viver é agora, ser feliz é agora, tudo é agora. E com isso acabo parecendo uma devoradora de momentos, todo o tempo vivendo intensamente, parando no meio da rua pra sentir o vento e sorrir para o universo, e dizendo para meus amigos o quanto sou feliz por tê-los. É até engraçado.

O bom é que você abre sua cabeça pra receber o mundo, para receber novos conceitos, novas experiências. Seu juízo se amplia e você – graças a Deus – cria suas próprias convicções e opiniões sobre as coisas, e deixa as da sua mãe. Consequentemente você vai ficando mais teimoso naquilo que acredita e mais seletivo, principalmente se leu bons livros.

O bom – acredito que o melhor de tudo – é que você para de tentar se parecer com todo mundo pra ser aceito, se aceita do seu jeito, faz do seu jeito e descobre que também é legal. Você acaba sendo amado por aquilo que tinha tanto medo de mostrar: você mesmo.  E assim, você tem coragem de colocar Gun’s  e Tião Carreiro na mesma playlist e curtir do começo ao fim enquanto te consideram doido, mas não deixam de te amar por isso. Se souber escolher bons amigos tudo acabará em risos, aliás, sua vida terá o dobro de sorrisos.

O bom é que você consegue saber exatamente o que gosta de fazer e se isso merece sua energia e seu tempo e o que deve deixar pra trás porque nunca vai dar em nada. E deixa pra trás sem culpa, mesmo enquanto as pessoas enlouquecem ao seu redor e dão opiniões que você não pediu sem ao menos saber seus motivos, e não adianta explicar, eles nunca entenderiam.

Você fica menos egoísta, ou não. Não sei, essa é uma questão que ainda preciso resolver, porque quando se trata de gente que quer destruir meus sonhos e me enlouquecer eu sou bem egoísta. É meu mecanismo de defesa.

O bom, é que agora quando o coração dói você já sabe que não vai morrer. Que ninguém morre de amor, pois, tudo passa. A propósito, depois dos 20 anos, tudo anda passando rápido demais, preciso terminar o texto pra viver esse dia. Muito amor pra você.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s