Plano Bê: Medos perdidos

Captura de tela inteira 27022014 135555

No dia em que abri meus olhos perdi o medo de perder, de cair, de voar. No dia em que perdi o medo resolvi mudar tanta coisa em mim, e se algumas pessoas disserem que não me conhecem mais eu vou entender, pois isso também fazia parte do meu plano. No dia em que perdi o medo, minha vida se iluminou de possibilidades e vi meus sonhos pelos cantos empoeirados me olhando, amarrei os cabelos agora loiros e sai ajuntado um por um soprando-lhes hálito de vida, do qual meu peito agora está repleto. Coloquei-os todos espalhados na minha frente e disse: “lá vamos nós”! No dia em que perdi o medo, algumas pessoas começaram a ter medo de mim, achei bom, isso é sinal que estou no caminho certo. Os que desistiram de caminhar sempre chamam de loucos aos que ainda insistem. Eu ainda insisto. Minha mãe sempre dizia quando eu fazia bagunça: “quem procura acha menina!”. Por isso sou um ser à procura.

No dia em que perdi o medo ganhei o mundo, e reuni coragem finalmente para escalar minha montanha. Daqui de cima ela já parece bem menor do que eu imaginava olhando lá de baixo. Ainda estou subindo e não me preocupo com a chegada, a subida está sendo realmente muito gratificante e surpreendente. No dia em que perdi o medo, fui taxada de louca. Mas a loucura que eles falavam eu desconfio que fosse inveja, na verdade, todo mundo tem vontade de abandonar o chão e voar em busca do sonho e entender de vento no rosto e conversar com estrelas como eu.

No dia em que perdi o medo colori tudo ao meu redor e sai espalhando amor por aí. Libertei-me de tudo que me fazia mesquinha, hipócrita, menor. Sorria e cantarolava sozinha pelos cantos por ser livre. Tomei coragem pra dizer tudo o que segurei por muito tempo sem me importar com as respostas que receberia. Levantei a voz pra gritar ao mundo quem sou e a quê vim, e agora estou aqui. Tudo que sou é reflexo do que sonhei e hoje me exerço inteira, plena, desfrutando de cada pedacinho do que estou me tornando. Sou um espírito em evolução.

No dia em que perdi o medo, me amei de verdade, e descobri que amor que eu procurava fora estava inquieto dentro de mim esperando pra tomar conta dos meus dias. Então o deixei sair e deste dia em diante me tornei uma companhia maravilhosa para os meus amigos. Dancei na chuva, quebrei copos, abri os braços no meio da rua, cantei dentro do elevador, perguntei “você é feliz?” pro meu chefe, perguntei “por quê?” pra tudo que ouvia até se esgotarem as respostas e tiveram que concordar comigo. Fui chamada de louca e adorei, adoro ser chamada assim quando “louca” se apresenta como sinônimo de pessoa livre de preceitos.

A partir do dia em que perdi o medo, minha vida é um turbilhão de tudo que se possa imaginar de bom, boas e gostosas realizações, porque os olhos de quem está no caminho dos seus sonhos brilha mais forte, o sorriso é mais radiante e o passo é mais firme. Pessoas com brilho nos olhos são leves, livres, transcendem qualquer barreira com sorriso. Eu sou todos os sentimentos juntos, eu sou a coragem, a força, a alegria. Eu sou todos os meus sonhos neste momento, e ninguém no mundo, agora, pode me tirar dessa sensação.

Bethania Davies

Foto: reprodução.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s